Navigation

Direito
Quais as vantagens de um advogado ser mediador?

A mediação é uma área em crescimento no Brasil, sendo um nicho bastante interessante para quem busca a solução de conflitos.

O método traz uma redução de custos, busca promover o diálogo entre as partes — dando autonomia para que as partes fechem um acordo —, e agiliza a solução das questões, principalmente quando comparado ao tempo médio que uma ação judicial leva até ser julgada em definitivo.

Mas, a mediação não é benéfica apenas para o advogado que acompanha o cliente. Há diversas vantagens também para o advogado que decide ser mediador. Sendo assim, preparamos para você uma lista com algumas dessas vantagens. Confira:

1. Adquirir novas habilidades

O advogado mediador tem uma função tão relevante quanto a do advogado que atua de forma nos processos judiciais. No entanto, sua performance difere-se ao exercer um papel de orientação para as partes do processo. Para isso, o advogado terá que desenvolver uma postura mais cooperativa e de colaboração, tendo em vista que, na solução de litígios, o advogado é acostumado com uma postura combativa, de defender um lado acusando outro.

Dessa maneira, o mediador deverá atuar buscando sempre equilíbrio, diálogo, entendimento e consenso entre as pessoas envolvidas, evitando que partam para o conflito judicial.

A formação em mediação traz diversos benefícios ao advogado no exercício de sua profissão, mesmo que ele acabe por não atuar como mediador.

Com a formação, o profissional adquire habilidades adicionais e novos métodos para lidar com conflitos, que poderão também ser utilizados na advocacia durante elaboração de contratos e documentos, nas negociações com seus clientes e partes adversas em geral, e na forma de lidar com a gestão do escritório.

2. Expandir conhecimentos

Tendo em vista que, durante a mediação, os advogados das partes deverão apresentar-lhes todos os métodos para solução do litígio e as discussões que ocorrerão na busca de um consenso, o mediador irá sempre adquirir experiência.

O casos irão aparecer em diversas áreas, de modo que o advogado que decide ser mediador não fique restrito a apenas uma disciplina, expandindo assim seus conhecimentos com a prática.

3. Remuneração em curto prazo

Ao contrário do que muitos pensam, ser mediador não prejudica os honorários do advogado. O pagamento será feito pelas próprias partes representadas, em valor fixado pelo Tribunal. Apesar da existência desse ônus, a contratação do mediador é vantajosa para os envolvidos, uma vez que a mediação evita outros custos judiciais com a demanda.

Em alguns casos, para criação de quadro próprio, os Tribunais ofertam concursos para mediadores. Nestes casos, o mediador receberá remuneração mensal do órgão.

4. Reconhecimento e liberdade profissional

Atuar como mediador trará reconhecimento profissional ao advogado, expandindo sua lista de contatos e conhecimentos.

Ser mediador também não impede a continuidade do exercício da profissão de advogado. Entretanto, é importante destacar que o mediador não poderá atuar como advogado na vara em que atuar como mediador, e deverá respeitar o prazo de um ano para advogar para as pessoas envolvidas nas mediações em que atuou, para que não haja conflito de interesse.

Agora que você já conhece as vantagens de ser mediador, que tal investir em uma capacitação na área? Aproveite para aprender o que é preciso para atuar com mediação e conciliação.

A equipe de Redação da Ambra é formada por profissionais especializados em redação, marketing, finanças, empreendedorismo, administração e gestão. Estes profissionais são os responsáveis por criar conteúdo informativo e que ajudam a inovar e resolver problemas do mercado.