Vírgula ou Ponto? Como separar centavos em reais e em dólares

Desde que me mudei para os EUA, tenho notado um padrão que se repete diariamente em posts no Facebook, textos de jornais e revistas de brasileiros expatriados. Quando as pessoas escrevem algum valor em reais, elas tendem a utilizar a vírgula como separador decimal dos centavos. Já quando escrevem algum valor em dólares, tendem a utilizar o ponto como separador decimal.

Esse padrão se repete inclusive em frases com valores tanto em dólares quanto em reais, levando as pessoas a utilizarem as duas formas combinadas no mesmo texto. Por exemplo:

Ótimo apartamento à venda em Orlando por apenas $350,000.00 dólares (aproximadamente R$1.120.000,00).

Um pouco confuso, não? Será que a simples indicação da moeda em um número determina se o ponto ou a vírgula deve ser usado como separador decimal?

Vamos colocar um ponto final nesta questão.

Histórico do ponto decimal

De acordo com o livro “A history of mathematical notations” [1][2], a primeira utilização de frações decimais data do século XVI pelo matemático belga Simon Stevin.

Com o uso de números não-inteiros, surgiu a necessidade da criação de notações para a escrita dessa nova classe de números.

Atribui-se ao matemático escocês John Napier o primeiro uso intencional do ponto como separador decimal em seu livro Rabdologia de 1617. Nesse mesmo livro, o matemático também utiliza a vírgula como separador decimal.

Ao longo dos anos, as notações para números decimais variaram, sendo usadas as seguintes alternativas para separação das casas decimais:

  1. circunscritas;
  2. sobrescritas;
  3. sublinhadas;
  4. separadas por barras verticais;
  5. separadas por traços;
  6. separadas por ponto;
  7. separadas por vírgula.

A lista não é exautiva. Somente no início do século XVII, a notação de números decimais começou a convergir para o ponto ou para a vírgula.

Em meados de 1700, o matemático alemão Gottfried Leibniz propôs o uso do ponto como sinal de multiplicação e, com isso, grande parte da Europa adotou a vírgula como separador decimal para evitar confusão.

Já no Reino Unido, preferiu-se por adotar o “x” como sinal de multiplicação e passaram a utilizar predominantemente o ponto como separador decimal. Essa preferência foi herdada pelos Estados Unidos da América durante o período colonial.

Normas Gramaticais

Em termos de normas gramaticais da língua portuguesa, não há regra que obrigue o uso da vírgula ao invés do ponto ou vice-versa, pois o novo acordo ortográfico da língua portuguesa é omisso quanto a isso.

Da mesma maneira, não encontrei regra gramatical formal que obrigue a utilização do ponto ao invés da vírgula na língua inglesa.

Além do idioma, por se tratar de números, a questão pode ser abordada quanto à metrologia. Para isso, existe a Resolução n.º 10 da 22.ª Conferência Geral de Pesos e Medidas que é citada e reforçada pelo Sistema Internacional de Unidades publicado pelo INMETRO Brasileiro. A resolução conclui:

declares that the symbol for the decimal marker shall be either the point on the line or the comma on the line,

reaffirms that “Numbers may be divided in groups of three in order to facilitate reading; neither dots nor commas are ever inserted in the spaces between groups”, as stated in Resolution 7 of the 9th CGPM, 1948.”

Que em tradução livre fica:

declara que o símbolo do separador decimal será o ponto sobre a linha ou a vírgula sobre a linha,

reafirma que “Números podem ser divididos em grupos de três para facilitar a leitura; nem pontos nem vírgulas devem ser inseridos nos espaços entre os grupos”, conforme a Resolução 7 da 9a CGPM de 1948.”

Isto é, a norma internacional de metrologia permite o uso tanto do ponto quanto da vírgula como separador decimal.

Além disso, recomenda que, caso se venha a agrupar os milhares, que não se utilize nem a vírgula nem o ponto como agrupador de milhar, mas somente um espaço em branco.

De acordo com essas recomendações, o número dois mil trezentos e cinquenta e quarenta e cinco décimos pode ser escrito das seguintes formas:

  • “2350,45” com a vírgula como separador decimal e sem agrupador de milhares; ou
  • “2 350,45” com a vírgula como separador decimal e com um espaço como agrupador de milhares; ou
  • “2350.45” com o ponto como separador decimal e sem agrupador de milhares; ou
  • “2 350.45” com o ponto como separador decimal e com um espaço como agrupador de milhares.

Embora todas as opções acima estejam tecnicamente corretas, há recomendações de estilo a depender do contexto, do país e do idioma que devem ser seguidas para facilitar a compreensão do leitor.

Uso nos EUA e no Brasil

É possível encontrar várias recomendações para o uso da vírgula como separador decimal em textos brasileiros (em português) e para o uso do ponto em textos americanos (em inglês) [7][8].

Como via de regra, a grande maioria de textos escritos nos EUA utiliza o ponto como separador decimal, enquanto que a grande maioria de textos escritos no Brasil utiliza a vírgula como separador decimal.

Como os EUA utilizam o inglês como seu idioma principal, então os textos em inglês utilizam o ponto. Como o Brasil utiliza o português, então os textos em português utilizam a vírgula.

Isto é, o uso do separador decimal recomendado está mais relacionado em primeiro lugar ao país, em segundo (por consequência) ao idioma e, em último lugar (e por consequência novamente) à moeda.

É importante entender que valores em dólares geralmente aparecem utilizando o ponto como separador decimal porque normalmente são escritos em documentos em inglês, e em países de língua inglesa.

Importante: A simples escrita de valores em uma moeda específica não obriga o uso do ponto ou da vírgula como separador decimal por si só.

Recomendação geral

As recomendações gerais são bem simples e visam facilitar o entendimento do texto pelo leitor:

Para textos em inglês:

  • Opte pelo uso mais comum nos países de língua inglesa: o ponto como separador decimal.
  • Caso venha a utilizar agrupador de milhar, utilize a vírgula.

Para textos em português:

  • Opte pelo uso mais comum nos países de língua portuguesa: a vírgula como separador decimal.
  • Caso venha a utilizar agrupador de milhar, utilize o ponto.

O importante é manter a coerência no texto e não misturar dois separadores decimais distintos no mesmo texto.

Siga essa regra até mesmo quando você estiver usando de valores em duas moedas diferentes no mesmo texto.

Voltando ao exemplo do início do texto, o recomendado para aquele caso seria:

Ótimo apartamento à venda em Orlando por apenas $350.000,00 dólares (aproximadamente R$1.120.000,00).

Ou caso o texto estivesse escrito em inglês, teríamos o seguinte:

Nice apartment for sale in Orlando for only $350,000.00 US dollars (approximately R$1,120,000.00).

Aproveito para lembrar que não há problemas em escrever um texto em português utilizando somente pontos como separadores decimais, pois não há regra que impeça isso.

É possível argumentar que o item determinante para a opção entre o uso do ponto ou da vírgula seja o país para o qual o texto é destinado, independentemente do idioma. Isto é, que textos escritos para os EUA utilizariam o ponto, mesmo que escritos em português; e que textos escritos para o Brasil utilizariam a vírgula, mesmo que escritos em inglês. Eu particularmente não sou adepto dessa abordagem, pois penso que possui mais chances de causar confusão no leitor, pois textos nem sempre carregam explícitos o país ou região geográfica para qual são destinados.

Independentemente da abordagem escolhida, novamente, o importante é manter a coerência no texto e não misturar dois separadores decimais distintos no mesmo texto.

Quanto aos agrupadores de milhar, embora haja recomendação pela Conferência Geral de Pesos e Medidas pelo uso de somente um espaço em branco; essa prática não é muito disseminada e é preferível a utilização da vírgula ou do ponto, a depender do separador decimal escolhido.

Espero que esse texto lhe auxilie a escrever melhor!

Gostou desse conteúdo? Então, compartilhe com seus amigos nas redes socias:

Conheça a trilha “Desenvolvendo sua Marca Pessoal” criada pelo Professor Rovian que atua na Business School da Ambra. Ao longo da trilha, o professor Rovian repassará informações, e-book e textos para você amplie sua marca e sua reputação profissional. Ah, não nenhum custo para participar da trilha.


Fonte e referências:

[1] – https://www.councilscienceeditors.org/wp-content/uploads/v31n2p042-043.pdf
[2] – A History Of Mathematical Notations Vol I
[3] – https://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica/DID/2277
[4] – Acordo Ortográfico
[5] – https://www.bipm.org/en/CGPM/db/22/10/
[6] – http://www.inmetro.gov.br/inovacao/publicacoes/si_versao_final.pdf (Seção 5.3.4 pag. 46).
[7] – http://www.unc.edu/~rowlett/units/numbers.html
[8] – Practical English Usage, Oxford University Press; 4th Revised edition edition (2017) (Seção 29 – 322 Numbers).