Como inteligência artificial nas empresas pode fazer a diferença?

inteligência artificial

A inteligência artificial (IA) pode ser considerada a tecnologia mais disruptiva desde a primeira revolução industrial. As máquinas inteligentes não têm apenas o potencial para mudar drasticamente o mundo dos negócios como, também, de transformar as relações no mercado de trabalho.

Combinando a inteligência artificial nas empresas e a internet, análises cada vez mais sofisticadas estão começando a mudar a forma como o trabalho é feito por pessoas e computadores. Elas mudam, ainda, a forma como as organizações interagem com os seus clientes, às vezes, de maneiras surpreendentes.

Todas as empresas querem reduzir custo no mundo corporativo, mas elas buscam encontrar novos mercados e formas que façam com que seus clientes desfrutem de um melhor produto ou serviço. Os sistemas inteligentes têm permitido a elas maior capacidade produtiva, aumento da qualidade do produto final, garantia de um melhor atendimento ao cliente, entre outros benefícios.

Segundo um relatório da empresa Accenture, a adoção da tecnologia da inteligência artificial nas empresas pode aumentar a produtividade do trabalho em até 40%. Estima-se que, até 2035, o crescimento econômico anual de muitos países desenvolvidos deve ser duplicado, graças à IA.

Diferentemente dos robôs da ficção científica, com aparência humana, a inteligência artificial pode estar embarcada em qualquer dispositivo. Desde os assistentes pessoais em celulares até os carros autônomos, a IA já está presente em nosso dia a dia e crescendo de forma acelerada.

A seguir, saiba mais sobre o diferencial que a inteligência artificial nas empresas pode gerar, confira!

Mas o que é inteligência artificial?

A inteligência artificial é um subcampo da informática que tem por objetivo desenvolver máquinas e softwares que sejam capazes de executar tarefas de forma totalmente autônoma – e que, normalmente, seriam realizadas por pessoas.

Com o avanço da neurociência, a inteligência artificial tem progredido não apenas na velocidade de cálculos complexos, mas também se concentrado, principalmente, em imitar os processos de tomada de decisões e realizar tarefas de forma cada vez mais humana.

Ao invés de ensinar aos computadores tudo o que eles precisam saber sobre o mundo, pode ser possível e mais eficiente ensinar-lhes a aprender por si mesmos.

Hoje em dia, existem diversos sistemas com diferentes níveis de inteligência. Entre eles, temos aqueles que executam tarefas com base no seu comportamento passado, outros já podem aprender a trabalhar a partir de demonstrações de exemplo e, também, os que tomam decisões consultando uma grande base de dados.

O fato de que podemos, eventualmente, desenvolver máquinas com inteligência comparável ou até superior à do cérebro humano é visto por muitos especialistas como algo inevitável.

Sistemas de inteligência artificial nas empresas

A aplicação de sistemas inteligentes transforma os processos empresariais. Sistemas IA podem potencializar as estratégias de venda ao analisar uma base de clientes, comparando comportamentos e histórico de compras, para criar produtos e serviços que melhor atendem às necessidades dos consumidores.

O uso dessas bases de dados também permite ao empresário prever quais os produtos do seu catálogo têm maior probabilidade de venda, ajudando a gerar inventários mais sustentáveis e, até mesmo, a promover uma precificação dinâmica dos seus produtos.

Um sistema inteligente aplicado ao e-commerce também pode criar recomendações customizadas e tornar produtos mais atrativos de acordo com o perfil e a necessidade de cada cliente, melhorando a experiência do seu público e o seu grau de satisfação.

A capacidade de encontrar padrões em dados que não seriam facilmente monitorados por humanos tem sido bastante utilizada em instituições financeiras para ajudar a detectar potenciais fraudes, por exemplo. Bancos de investimento têm adotado algoritmos inteligentes para negociar papéis financeiros em alta velocidade, tirando vantagem de diferenças de cotações em milésimos de segundo.

O Bradesco, por exemplo, tem testado o IBM Watson, uma das grandes máquinas da computação cognitiva atuais, que aprende com a sua própria experiência. Atualmente, ele é utilizado para o treinamento de colaboradores, sendo capaz de responder a mais de 50 mil questões, e, no futuro, deverá atender clientes e fazer a gestão financeira dos seus correntistas.

Ainda nessa linha de atendimento autônomo, existe uma tendência para o crescimento do uso de sistemas de chatbots, que nada mais são do que robôs que conversam com os clientes por mensagens de texto e até mesmo por voz. Os chatbots podem responder às consultas dos consumidores, independentemente da hora, e até mesmo concretizar uma venda sem qualquer intervenção humana.

De acordo com a Business Insider, até 2020, 85% das interações entre as marcas e os consumidores deverão ser feitas unicamente por meio do uso da inteligência artificial nas empresas.

As máquinas autônomas nas linhas produtivas

Desde o século passado, a indústria tem adotado a aplicação de sistemas que conseguem tomar decisões a partir de um grande volume de dados.

Esses sistemas têm, entre outras características, a capacidade de aprender e de se adaptar de acordo com mudanças no setor produtivo.

Seja um defeito ou a flexibilização dos produtos que estão sendo produzidos, as máquinas têm o poder de se comunicar umas com as outras e adaptar a planta industrial para atender a uma nova demanda.

A inteligência artificial nas empresas, juntamente com robôs autônomos, viabiliza uma produção mais personalizada e eficiente, visando à redução de custos, economia de energia, fim do desperdício e o aumento da segurança dos trabalhadores.

Inclusive, já existem robôs industriais que não precisam de programação prévia: eles, simplesmente, aprendem ao ver alguém executando uma determinada tarefa e repetem os mesmos movimentos.

Inteligência artificial nas empresas e o futuro da mão de obra

Existe uma tendência crescente para a automação do trabalho de rotina. A inteligência artificial automatiza rapidamente os processos laborais, da mesma forma que as máquinas da era industrial automatizaram o trabalho físico.

Quanto aos empregos, não é correto afirmar que a introdução dessas novas tecnologias eliminará a mão de obra. No entanto, a inteligência artificial nas empresas, bem como o uso de maquinários com tecnologia avançada, exigirão uma mão de obra mais especializada para atender e manter esses novos sistemas funcionando.

Embora a transição de um colaborador pouco qualificado para um especializado não seja uma tarefa fácil de ser resolvida, programas de treinamento podem ajudar a diminuir as dificuldades dessa mudança.

Se, no passado, o operador fazia somente uma tarefa e de forma repetitiva, ele poderá ser treinado para executar a manutenção e até mesmo a programação desses maquinários automatizados que o substituirão na linha produtiva.

Essa especialização vai gerar para o colaborador qualificado um aumento de salário, redução do tempo de trabalho e mais qualidade de vida.

Já para as empresas, há, também, diversos benefícios. Não só estas tecnologias são extremamente capazes de realizar as mesmas tarefas feitas por humanos, como também não requerem pausas de café, almoço ou descanso.

Existem até mesmo as fábricas totalmente automatizadas que funcionam 24 horas por dia. Sem trabalhadores para essas operações específicas, as máquinas podem trabalhar, inclusive, no escuro, o que gera uma importante economia de energia para essas empresas.

Além disso, com o uso de inteligência artificial nas empresas, a tendência é que se consiga reduzir drasticamente a taxa de erros e de retrabalhos, otimizando os processos produtivos das organizações.

A maior barreira para as empresas brasileiras continua sendo o custo elevado que essas tecnologias podem apresentar. Apesar de termos bons programadores no Brasil, boa parte do maquinário é importada – no entanto, a tecnologia já foi mais cara no passado e ela tende a diminuir o custo nos próximos anos.

Todo empresário, gerente ou tomador de decisões de negócios precisa analisar os benefícios que a inteligência artificial nas empresas pode oferecer, e como ela gera resultados positivos no médio e longo prazo.

É se modernizando, melhorando seus processos e ouvindo seu cliente que as empresas poderão continuar relevantes e competitivas no mercado – e a inteligência artificial pode contribuir bastante para isso.

E então, você já conhecia os benefícios que a inteligência artificial nas empresas pode proporcionar? Conhece algum case de sucesso? Compartilhe conosco nos comentários e continue acompanhando o nosso blog. Até a próxima!

am_cta_ebook10_admempresas<