O investimento em educação

Educação, despesa ou investimento? Uma mulher jovem segurando um porquinho.
Educação é despesa ou investimento?

A educação é um dos itens de despesa do orçamento familiar. Ela deve dividir a receita da família com grandes gastos como moradia, alimentação, lazer e saúde.

Uma questão bem comum é: o gasto com educação é uma despesa secundária/normal que pode ser comparada e cortada como outra qualquer, como por exemplo: o gasto com o salão de beleza ou a compra de um novo carro? Ou ela é item básico/primário de grande relevância que deve vir logo após moradia, alimentação e saúde?

Afinal, Educação é Investimento ou Despesa?

A diferença básica entre item de despesa e um ativo de investimento é que o segundo proporcionará receita futura.

Essa definição de ativo distingue investimentos que proporcionarão retorno financeiro futuro direito ou indireto de gastos como a compra de uma carro.

Comprar um carro gera apenas despesas imediatas e futuras. Ele proporciona conforto e outros benefícios, mas, definitivamente, não é um investimento porque não trará ganhos futuros.

Ao investir em educação formal ou informal você terá retorno no futuro, portanto, a “despesa” com educação deve ser classificada como investimento e não como mero gasto ou item de consumo.

Os ganhos futuros da educação não são certos nem definidos, pois não conhecemos antecipadamente os retornos exatos do investimento, financeiro e humano. Ao investir em educação, você fará um desembolso certo esperando resultados incertos, caracterizando, assim, a presença de risco também no investimento em educação.

Mulher conquistando diploma de ensino superior!
Ilustração de alguém que se graduou

O risco do investimento em educação

O risco do investimento em educação é reduzido escolhendo-se instituições, cursos e treinamento que realmente ensinam e não apenas te entregam um diploma/certificado.

A qualidade da formação é o item que reduzirá drasticamente o risco e aumentará o resultado do investimento realizado em educação. É fácil perceber que escolhemos boas escolas primárias e secundárias para nossos filhos e também devemos buscar qualidade na instituição ao escolher uma faculdade para graduação ou pós-graduação.

Quanto melhor for a qualidade da formação recebida menor será o risco e maior será o retorno do investimento em educação, portanto, nunca devemos escolher um curso comparando o valor da mensalidade e sim as características qualitativas como corpo docente, tamanho das turmas (quanto menor o número de alunos maior é a qualidade), nível de assistência dos professores, estrutura de orientação educacional, infra-estrutura, método de ensino, comprometimento da instituição, participação da alta diretoria no dia a dia do negócio, possibilidade de networking e resultados de pessoas que já estudaram na referida instituição.

O investimento em educação é necessário e essencial para a evolução pessoal/familiar e também da sociedade, pois somente com desenvolvimento humano podemos ter um desenvolvimento econômico realmente sustentável como ensinaram os professores Gustav Ranis da Yale University, Frances Stewart da University of Oxford e Alejandro Ramirez das Nações Unidas.

O retorno do investimento em educação

O investimento em educação gera grandes retornos quando se trata de uma verdadeira formação e não apenas de um diploma.

O administrador portador de diploma, mas que não possui competências gerencias e empreendedoras não terá retorno do investimento, mas aquele que possui uma boa formação terá um grande retorno individual e familiar. Ademais, o investimento em educação gera dividendos também para a sociedade, pois os que estudam em instituição de qualidade criam novos serviços e produtos agregando valor e ampliando os ganhos sociais por impostos e novos empregos.

Aqui, nos Estados Unidos da América, o Governo no âmbito Federal e Estadual promove financiamentos para o ensino superior, graduação e pós-graduação, na forma de bolsas e empréstimos como investimento, pois os egressos do ensino superior americano usualmente ganham significativamente mais e, consequentemente, pagam mais impostos retornando aos cofres públicos o investimento do Governo em bolsas e financiamento estudantil.

Sabemos que os profissionais americanos com curso superior ganham consideravelmente mais que os profissionais sem curso superior e esperamos que esse padrão mensurado nos EUA se repita em outras nações como Brasil.

Precisamos de uma boa formação para exercer uma profissão, mudar ou crescer na carreira. Não existe um único caminho, mas as formações tradicionais: cursos técnicos, superiores e pós-graduação ainda são a versão mais simples e fácil de se obter um bom retorno humano e financeiro na carreira.

A dica de ouro é focar em formação de qualidade que desenvolva competências profissionais necessárias para a boa atuação no mercado de trabalho e seguir evoluindo continuamente.

A evolução continua pode ser focada na área de atuação ou agregando novas competências profissionais. Normalmente, o crescimento em carreiras técnicas é feito na vertical, liderando ou gerenciando recursos ou pessoas, e, para atingir um novo patamar, devemos aprender e desenvolver competências de gestão e liderança.

Profissões especializadas como engenheiro, médico, fisioterapeuta,  dentista, professor, etc. podem ter grande valor agregado com um programa de pós-graduação em gestão e liderança.

Ao adicionar um pós-graduacão em gestão e liderança, estamos criando as condições para assumir posições com ganhos financeiros mais elevados ou gerar os mesmos resultados investindo um tempo menor na realização de determinadas tarefas pela habilidade de gestão desenvolvida. Seja como for, a boa formação em gestão é o caminho certo e direto para profissionais das áreas de exatas, ciências da saúde e humanas obterem um rápido retorno sobre o investimento em educação.

Certamente, a educação formal ainda é um excelente investimento como já disse Sir Arthur Lewis “Educação nunca foi despesa. Sempre foi investimento com retorno garantido”. Na verdade, ela é o investimento de menor risco e maior retorno e como disse o Diretor sênior associado da Harvard School of Business, Howard Stevenson, “Se você acha o custo da educação alto, tente o da ignorância”.

Fonte do texto: O material deste post é parte do segundo módulo do curso gratuito de finanças pessoais ofertado pela Ambra College.

Avaliação dos leitores
[Média: 0]