Como aprimorar a habilidade de lidar com conflitos na empresa?

conflitos na empresa

Os conflitos ocorrem em todos os tipos de relacionamento, inclusive no ambiente profissional.

Não importa o tamanho da empresa, sempre que há alguma interação humana, eles acabarão surgindo.

Quando não solucionados, esses conflitos na empresa podem contribuir negativamente na produtividade da organização.

Por isso, o gestor precisa saber como lidar com esse tipo de situação, a fim de garantir o bom rendimento de seus colaboradores e um clima organizacional favorável.

Mas será que existe uma maneira de lidar melhor com os conflitos na empresa? O que o gestor pode fazer para amenizá-los? É sobre isso que vamos tratar neste artigo.

O gestor da empresa precisa estar atento para alguns fatores, e desenvolver determinadas habilidades a fim de lidar adequadamente com qualquer tipo de conflito.

Para ajudá-lo nesse processo, a seguir, preparamos dicas sobre como você pode se portar no momento do conflito e, em seguida, quais habilidades são necessárias para lidar com esse tipo de situação indesejada.

1. Para lidar com conflitos na empresa, seja imparcial

Quando ocorrem conflitos na empresa, geralmente, há duas ou mais pessoas discutindo e divergindo sobre um ponto específico, por isso, evite assumir um dos lados. Continue imparcial, perceba o que ambos querem dizer e, principalmente, quais os motivos de eles terem essas opiniões.

O seu papel não é o de dizer quem está certo e quem está errado, é o de resolver o conflito para que ele não atrapalhe o bom clima organizacional.

2. Esteja aberto ao diálogo

A única maneira de resolver os conflitos na empresa é por meio do diálogo. Para isso, os colaboradores precisam saber que você está aberto para ouvir a opinião deles e dialogar a respeito dos fatos.

Você precisa ser visto como alguém que irá auxiliar os funcionários no momento de ocorrência de conflitos na empresa, sendo uma referência de resolução para eles.

Dessa forma, sempre que ocorrer uma dessas situações, eles irão até você para tentar resolvê-lo da melhor maneira possível, sem que isso traga consequências negativas para a organização.

3. Evite procurar por culpados para lidar com os conflitos na empresa

De acordo com uma pesquisa, 75% das organizações possuem problemas de conflito entre gerações. Assim, muitos líderes, ainda, ao detectar uma discussão entre os funcionários, simplesmente culpam uma das partes por pertencer “à geração Y”, por exemplo.

Com este comportamento, o gestor apenas está contribuindo para o desenvolvimento de um ambiente de trabalho que aceite esse tipo de conflito como rotineiro e natural, sem focar na resolução da questão que, de fato, originou a discussão entre os funcionários.

Outro comportamento desfavorável é o gestor apenas apontar culpados ou quem estava “errado”. Isso não auxilia na resolução do problema e apenas faz com que outras pessoas se sintam prejudicadas.

No lugar de procurar por culpados, é muito mais facilitador procurar uma solução adequada ao conflito e, principalmente, tomar atitudes para que situações semelhantes não ocorram no futuro.

É fundamental perceber os motivos desses conflitos para compreender o que está ocorrendo de errado na organização, e evitar que situações semelhantes aconteçam novamente.

Alguns conflitos podem ser apenas de ordem pessoal, de pessoas com crenças e ideias diferentes, que acabam emergindo no ambiente de trabalho, e outros causados por situações do trabalho.

Esses conflitos na empresa são mais fáceis de resolver e, principalmente, de ser evitados no futuro, pois você pode tomar atitudes para que eles não ocorram novamente. Por exemplo, se o conflito foi gerado em função de uma promoção dada a um funcionário e não a outro, crie planos de carreira claros e um programa de recrutamento interno com critérios que sejam de conhecimento de todos.

4. Não tenha atitudes que piorem os conflitos na empresa

Alguns gestores acabam piorando o conflito entre seus colaboradores, tendo atitudes que apenas dificultam a boa comunicação e aumentam as dificuldades. Isso ocorre por diversos fatores, principalmente pela falta de cuidado na hora de lidar com essas situações.

Você deve evitar ter atitudes que ampliem a duração e o efeito negativo do conflito. Entre elas, podemos citar:

  • Não dar importância ao acontecimento, tratando-o com descaso.
  • Não deixar que ambas as partes se comuniquem.
  • Fingir que não está acontecendo nada.
  • Punir os colaboradores.
  • Não compreender os motivos dos conflitos (fazendo com que os problemas continuem ocorrendo no futuro).
  • Deixar que os colaboradores resolvam entre si de forma arbitrária.

Essas são algumas das atitudes que o gestor deve evitar, uma vez que elas podem aumentar ainda mais os desentendimentos e fazer com que outros colaboradores também entrem em conflito.

Quando o gestor realmente se empenha para resolver os conflitos na empresa, ele passa a contribuir para que o clima organizacional seja produtivo, fazendo com que os colaboradores possam conviver melhor entre si. Evitar essas atitudes também é uma forma de lidar adequadamente com os conflitos entre os funcionários.

5. Desenvolva habilidades essenciais para lidar com conflitos na empresa

Além de compreender os comportamentos adequados para um bom gestor, que sabe lidar de uma forma saudável com os conflitos na empresa, é preciso, também, desenvolver algumas habilidades para realmente resolver essas situações – que podem afetar o desempenho individual e coletivo da equipe.

Veja, a seguir, algumas dessas habilidades que vão ajudar a desenvolver um clima mais saudável dentro da sua empresa e a criar um ambiente que não seja propício aos conflitos.

Seja empático

Conforme a escritora norte-americana Brene Brown, existem quatro qualidades associadas à empatia:

  1. Capacidade de entender o ponto de vista do outro.
  2. Ausência de prejulgamento.
  3. Reconhecimento  das emoções do outro.
  4. Habilidade de comunicar essas emoções.

A empatia pode ser vista como a capacidade de se colocar, figurativamente, no lugar do outro, e compreender os motivos que o levam a pensar e a agir de determinada maneira, entendendo, assim, os comportamentos alheios.

No momento do conflito, se você se comportar de forma empática, não irá assumir lados, mas compreender com maior precisão os reais motivos desse embate.

Para se colocar no lugar do outro, é preciso compreender quem ele é e perceber a realidade, conseguindo, assim, ter um real entendimento do que está ocorrendo e das motivações internas de cada parte.

Por isso, quando dois ou mais colaboradores chegarem até você com conflitos na empresa, tente perceber quem são eles, porque estão tão envolvidos com esse fato e a razão para isso os afetar de tal maneira – afinal, nós só entramos em conflito quando estamos lidando com assuntos que realmente são importantes.

Tente compreender o lado de cada um, percebendo o porquê eles estão agindo dessa maneira. Assim, será mais fácil saber quais atitudes tomar para resolver o conflito.

Essa é uma habilidade que precisa ser desenvolvida diariamente, não só nas relações profissionais, como, também, nas pessoais. Sempre que possível, tente perceber os motivos das pessoas fazerem o que fazem. O que as leva a agir de determinado modo? Como elas pensam a respeito dos fatos e se sentem em relação a isso?

Uma boa maneira de começar a desenvolver a sua capacidade empática é pensando: “Se eu fosse ele, porque faria isso?”. Dessa forma, é preciso perceber, do ponto de vista do outro, os motivos para esses comportamentos. Com o tempo, essa postura será uma forma natural de perceber as coisas.

Aprenda a ouvir o outro

Um estudo afirma que passamos quase 50% de nosso tempo comunicativo ouvindo pessoas – se não fazemos isso bem, imagine quantas oportunidades de resolução de conflito vão ser perdidas?

Infelizmente, alguns gestores ainda acreditam no modelo de liderança conhecido como “comando e controle”, no qual apenas eles têm voz e se impõem à equipe sem se abrir ao diálogo. Hoje, esse estilo de gestão de pessoas se mostra inefetivo para atrair e reter talentos – e, claro, para evitar conflitos nas empresas.

Para exemplificar a importância dessa questão, cerca de 80% dos participantes de um estudo afirmaram ser fundamental para sua satisfação que seu líder ouça respeitosamente e com atenção suas ideias.

Essa é uma habilidade que está faltando nas pessoas de forma geral. Muitos de nós apenas escutamos o que o outro está dizendo, mas não compreendemos, realmente, o que está sendo dito.

Ouvir o outro significa prestar atenção no que está sendo falado, perceber como a pessoa se comporta e entender os motivos de ela nos dizer algo, da forma como nos diz. É saber que a comunicação vai muito além das palavras: ela está, também, nos gestos, no comportamento e na intenção das pessoas.

Um bom gestor é aquele que consegue ouvir as pessoas. Isso irá ajudá-lo nos mais diversos momentos da sua rotina como líder, até mesmo na hora de ouvir e perceber os conflitos da empresa.

Para desenvolver a habilidade de ouvir adequadamente, é preciso estar atento ao outro e se entregar à escuta, dar o seu tempo para deixar que o outro fale e buscar os motivos por trás dessa comunicação.

Assim, além de conseguir resolver os conflitos na empresa adequadamente, você também terá um entendimento melhor de tudo o que o cerca, identificando possíveis focos de desentendimentos antes mesmo de uma manifestação das partes.

Tenha um diálogo facilitador

Além de desenvolver a habilidade de ouvir o outro, é interessante, também, ter um diálogo facilitador, ou seja, conseguir se expressar adequadamente com o outro, deixando claro o que você deseja transmitir a ele.

Isso significa se comunicar de uma forma clara e objetiva para se fazer entender, evitando brigas ou discussões. O gestor que tem um diálogo facilitador é aquele que, mesmo quando está com muita raiva, consegue se comunicar sem ser agressivo, conseguindo resolver a situação sem brigar ou alterar a voz.

Ele consegue demonstrar que está insatisfeito com a situação apenas com as palavras, e não com uma atitude agressiva para com os seus colaboradores – ou seja, faz com que os colaboradores percebam que é uma situação difícil para eles, demonstrando que o conflito precisa ser resolvido, sem demonstrar raiva ou “apontar dedos”.

Para ter uma fala facilitadora, é preciso pensar antes de se comunicar, refletir sobre as consequências das suas falas e evitar agir por impulso ou se deixar levar pelos seus sentimentos.

Quando o gestor reflete sobre suas falas, ele consegue encontrar melhores maneiras para se expressar, sem que isso aumente os conflitos na empresa, de forma a passar exatamente o que deseja aos colaboradores a fim de resolver em definitivo os conflitos na empresa.

Seja um mediador

O bom gestor é aquele que sabe ser um mediador, que não assume lados, sabe ser imparcial e não busca culpados. É aquele que, no momento do conflito, sabe mediá-lo para que o transtorno não se transforme em algo maior.

Além de dar espaço para que os colaboradores se comuniquem a respeito de suas queixas, é interessante saber auxiliar para que o respeito e o bom diálogo continuem ocorrendo no ambiente de trabalho.

No fim, o gestor é responsável por deixar claro que todos têm divergências de opiniões e que nem sempre é preciso concordar com tudo, mas, sim, manter o respeito e continuar realizando o trabalho da melhor maneira possível.

Não deixe que os conflitos na empresa se tornem algo pessoal

Uma das coisas mais difíceis em um conflito é evitar que ele se transforme em algo pessoal, pois muitas pessoas acabam discordando sobre alguns assuntos, e, com o tempo, transformam o outro (de quem discordam) em um inimigo.

É primordial que o gestor evite que isso aconteça. A resolução e mediação de conflitos na empresa devem servir para que as pessoas continuem sendo respeitosas umas com as outras, percebendo que existem algumas diferenças entre elas, mas que isso não as transforma em inimigas e nem impossibilita o bom convívio.

O gestor também precisa separar seu próprio lado pessoal do conflito, para não se envolver demasiadamente com o fato. É preciso demonstrar que pode existir, sim, a convivência após um conflito, e ter certeza de que o ocorrido fique apenas no lado profissional, não partindo para o pessoal, o que tornaria a resolução muito mais difícil e morosa.

Se você conseguir desenvolver algumas dessas habilidades, estando aberto ao diálogo, sabendo ouvir o outro e buscando maneiras de conviver com a diferença, além de se comunicar adequadamente, com certeza irá trazer grandes benefícios para a sua organização, principalmente no que diz respeitos à resolução de conflitos na empresa.

É fundamental buscar o autoconhecimento e o autodesenvolvimento, além de inteligência emocional, para conseguir lidar adequadamente com as diferentes situações da empresa, objetivando sempre o bom funcionamento do seu negócio.

Isso pode não ser algo fácil, mas com certeza será muito satisfatório. Um bom gestor é o diferencial em uma empresa e pode ser um propulsor para o crescimento e desenvolvimento dela, pois saber gerir o bom convívio entre os funcionários também é fundamental para manter a produtividade das organizações.

E em sua opinião, quais são as habilidades fundamentais para lidar com os conflitos na empresa? Compartilhe conosco suas ideias nos comentários e até a próxima. 

am_cta_ebook06_gestaoempresarial