Navigation

AMBRA College
programa de trainee
Como manter colaboradores por meio de um programa de trainee bem estruturado?

Se você é um empreendedor em fase de crescimento, e deseja que o processo seja acelerado, é preciso começar a pensar na possibilidade de ter profissionais capacitados para gerenciar departamentos novos que surgirem, coordenar projetos que estão para nascer ou supervisionar a construção e o desenvolvimento de novos produtos.

Nesse sentido, um programa de trainee bem estruturado pode ser a chave, pois você terá à disposição colaboradores bem preparados e com grandes chances de construírem carreira sólida na sua empresa.

No artigo de hoje, vamos conhecer melhor como funciona um programa de trainee, de modo que os escolhidos se sintam motivados a se esforçar e se aprofundar em suas tarefas para evoluir na empresa, além de fortalecer a sua marca no mercado de trabalho e aumentar os índices de retenção dos colaboradores.

O que é um programa de trainee?

Um programa de trainee é a ponte que liga jovens promissores a cargos estratégicos dentro das empresas.

Esse programa é composto pelas fases de recrutamento e desenvolvimento para reter as chamadas “mentes brilhantes” e com capacidade notável de gerenciamento para que, no futuro, esses jovens assumam uma posição estratégica.

Os programas de trainee surgiram como uma adaptação aos modelos de carreira que surgiram nos Estados Unidos no período pós-guerra (entre os anos 1950 e 1960), chamados de Fast-track.

Na época, houve um crescimento muito rápido das empresas, que tinham a necessidade de atrair colaboradores capacitados que pudessem sustentar tal crescimento.

No Brasil, a empresa que iniciou um plano de contratação por meio de um programa de trainee foi a Unilever.

A companhia promoveu adaptações em seu então tradicional programa de estágio e o transformou no sistema de recrutamento de jovens recém-formados, para que estes assumissem, no futuro, cargos de liderança na corporação.

Em geral, a remuneração de um trainee gira em torno dos R$ 5 mil. Apesar de ser considerado alto, esse valor leva em conta que a empresa está contratando profissionais diferenciados e extremamente competentes, com alto potencial de retorno em escala.

O perfil exigido costuma ser de jovens entre os 22 e 30 anos de idade, com fluência em inglês, que tenham feito bons cursos de capacitação e com graduação em universidades de ponta (esse último requisito não é uma regra).

Mas o que difere um trainee de um estagiário?

Existem algumas diferenças que podem ajudar as empresas a decidirem entre estágio e trainee.

Em primeiro lugar, é preciso saber que um trainee irá participar de todo um programa estruturado de treinamento e desenvolvimento para que o profissional, em um futuro próximo, assuma uma posição de liderança na empresa. Além disso, um estagiário e um trainee estão em momentos diferentes da carreira, com objetivos distintos e específicos.

Eis algumas dessas diferenças:

  • Quanto ao objetivo, enquanto um programa de estágio é o de ensinar o jovem estudante a desempenhar uma função, o jovem trainee é ensinado a gerenciar uma empresa.
  • Quanto às tarefas, no estágio elas podem ser mais simples (geralmente como suporte a área em que serão contratados). Já no trainee, o jovem irá passar pelas diversas áreas da empresa (job station) para conhecer o seu funcionamento de forma integral e, assim, desenvolver atividades de complexidade avançada.
  • Quanto à base legal, o estágio é regulamentado pela Lei 11.788/2008 e os programas de trainee pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Ou seja, o jovem trainee precisa de um contrato profissional e vínculo empregatício formal.
  • Quanto ao tempo de programa, a lei de estágio limita o período em uma mesma empresa ou órgão por até 2 anos (exceto quando se tratar de um estagiário portador de deficiência). Na modalidade de trainee, o prazo varia de 6 meses a 4 anos – quanto maior o nível de responsabilidade que a empresa pretende fornecer ao trainee, mais longo é o programa.
  • Quanto aos perfis buscados, enquanto as empresas, geralmente, dão preferência a estagiários que estão nos primeiros semestres ou já no meio da faculdade, os programas de trainee se concentram em recrutar estudantes dos últimos semestres ou recém-formados até 3 anos.

As vantagens de um programa de trainee para as empresas

Mesmo que um programa de trainee bem estruturado não seja simples de ser desenvolvido, ainda assim ele traz grandes vantagens para as empresas, tais como as possibilidades de:

  • Recrutar os melhores talentos do mercado para dentro da empresa;
  • Treinar profissionais que estão sem vícios e com energia para alcançar os resultados esperados;
  • Se valorizar no mercado como uma empresa moderna, comprometida com a sociedade, dinâmica e proativa;
  • Preenchimento das futuras vagas de liderança com os profissionais já devidamente treinados e preparados;
  • Obter constante inovação, já que os jovens trainees estão com a cabeça cheia de novas ideias e com vontade de colocar tudo o que aprenderam em prática.

Além dessas vantagens, os profissionais trainees acabam incorporando mais facilmente a cultura e os valores da empresa, o que já é um grande ganho para o crescimento dela.

Ao contratar esses jovens, a empresa precisa ter alguns cuidados, principalmente em relação aos colaboradores já estabelecidos há anos no negócio. Antes de implementar um programa de trainee, portanto, é necessário ter uma comunicação bem efetiva com toda a equipe para não provocar a sensação de desprestígio e o desequilíbrio no clima organizacional.

Etapas da construção de um programa de trainee

Durante todo o programa de trainee, algumas habilidades são levadas em consideração para que, dessa forma, a empresa faça a escolha dos jovens que mais se encaixem aos anseios do negócio. Algumas dessas habilidades são:

  • Proatividade;
  • Foco em resultados;
  • Flexibilidade;
  • Visão empreendedora;
  • Visão de negócios de forma ampla;
  • Visão estratégica;
  • Habilidade para trabalhar em equipe;
  • Criatividade;
  • Liderança;
  • Capacidade de comunicação;
  • Capacidade de solucionar problemas dos mais diversos setores da empresa.

Para montar um programa de trainee estruturado, geralmente, a empresa contrata uma consultoria especializada nesse serviço, que oferece uma estrutura adequada e experiência na realização dos treinamentos.

Por conta disso, os valores podem ser altos, então, o mais adequado é que a empresa se prepare financeiramente e tenha um bom planejamento para que todos os custos não afetem o caixa.

Antes de montar o programa, a empresa precisa realizar algumas ações:

  1. Definir com a diretoria qual o objetivo de ter um programa de trainee.
  2. Colocar no papel o perfil do candidato que ela almeja.
  3. Desenhar o formato do programa de desenvolvimento dos jovens trainees.
  4. Determinar como será o processo de seleção e qual a empresa que ajudará a captar os candidatos (lembre-se de que o processo é longo e bem competitivo).
  5. Envolver todo o departamento de Recursos Humanos no processo de seleção, incluindo a diretoria.
  6. Ter uma excelente comunicação interna e externa para que o programa seja atraente para os jovens com o perfil adequado e toda a empresa esteja engajada no processo.

Basicamente, os programas de trainees costumam ter de cinco a sete etapas, e podemos destacar as seguintes:

  • Etapa de inscrição: é a etapa de avaliação do perfil do candidato e deve considerar alguns quesitos importantes, como a análise do currículo, os cursos já realizados, se o candidato tem vivência no exterior, se é fluente em língua estrangeira, etc.
  • Etapa de avaliação: avaliações online testam algumas capacidades dos candidatos, como o domínio do inglês e, às vezes, da própria Língua Portuguesa.
  • Etapa das dinâmicas em grupo: geralmente, é uma das etapas mais importantes para avaliar a postura social e a capacidade técnica dos candidatos. As dinâmicas costumam ser divididas em fases, nas quais os jovens se apresentam e realizam discussões em grupo sobre alguns cases e problemas a serem solucionados. Essa etapa é importante para avaliar, ainda, a capacidade de trabalho em equipe, a comunicação e a criatividade diante de situações reais que ocorrem rotineiramente nas empresas.
  • Etapa de avaliação de língua estrangeira: consiste em uma prova oral de inglês, em que se avalia a capacidade de comunicação do candidato e o nível de complexidade do raciocínio no idioma.
  • Etapa de observação dos diretores: essa etapa é chamada de “painel de negócios”, e é a primeira em que os candidatos são observados pelos próprios diretores da empresa. Um case complexo é apresentado a eles, que devem resolvê-lo em um determinado tempo.
  • Etapa de entrevista com os diretores: em alguns programas, essa etapa pode entrar como critério de desempate. É observado o nível de consciência do jovem candidato sobre a empresa, o mercado e todas as funções que irá exercer.

Os aprovados no processo seletivo passam, então, a desempenhar funções, todas de caráter gerencial ­– o que pode ser em formato de projeto que tenha um início, meio e fim.

Eles são incorporados em toda a dinâmica estrutural da empresa e destinados às áreas que optaram no início do processo ou, ainda, em departamentos em que se destacaram.

Alguns exemplos de funções que podem ser desempenhadas pelos aprovados:

· Área jurídica: análise e elaboração de contratos; apoio às áreas internas na elaboração de grandes contratos.

· Área do marketing: análise e elaboração de pesquisa de mercado, além de implementação de estratégias de promoção.

· Área de vendas: elaboração de estratégias de negócio, além de controle de processo de vendas.

· Área de gestão de pessoas: formulação de programas de treinamento e de planos e cargos de salário.

· Área financeira: elaboração de projetos de redução de custos; gerenciamento das aplicações financeiras.

Uma vez dentro da empresa, os jovens trainees passam por constante avaliação através de determinados medidores (chamados de KPIs), sendo que os que não alcançam as metas esperadas vão sendo eliminados.

É extremamente importante que a empresa esteja preparada durante todo o processo, pois os gestores precisam tutelar os jovens trainees, que farão um verdadeiro programa de imersão.

Esses gestores ficam com a responsabilidade de moldar um profissional preparado para lidar com pressões, desenvolver respostas rápidas, coragem na tomada de decisões e um alto conhecimento sobre a realidade do mercado e da empresa. Isso significa que não basta apenas selecionar um jovem que tenha um potencial para se tornar um dos executivos da empresa e esperar que isso aconteça magicamente. Ele precisa de constante treinamento e supervisão.

Como saber se a sua empresa precisa de um programa de trainee?

Desenvolver um programa de trainee é, realmente, bem atraente se levarmos em consideração todo o retorno no médio e longo prazo. Mas para saber se é a hora e se a sua empresa precisa adotar essa política, é preciso avaliar alguns aspectos.

O primeiro deles é entender como funciona a sua empresa. Você deve olhar para ela e desenhar como seria a estrutura de colaboradores daqui cinco anos. Um programa de trainee daria a sustentabilidade necessária à sua visão de negócio no médio e longo prazo?

É preciso, ainda, ter conhecimento sobre tudo o que precisa ser trabalhado na empresa e ajustado, para que, então, se trace uma estratégia do tipo de profissional que você precisa e, também, como fará esse investimento.

Um terceiro aspecto é analisar como se dá o desenvolvimento dos seus colaboradores na empresa: eles realmente crescem e se desenvolvem? Quais são os processos de gestão de pessoas praticados por sua empresa? Os talentos estão sendo bem aproveitados?

Além disso, os gestores estão preparados para encarar esse desafio de treinar e liderar jovens no início de suas carreiras e sem conhecimento prático? Como vimos, isso é fundamental para evitar contratempos e uma desestruturação no clima organizacional.

Outro cuidado importante: se os departamentos da sua empresa que precisam de mais colaboradores são a base para o crescimento dela, talvez, você não possa esperar alguns anos para que os jovens assumam papéis estratégicos. Nesse caso, existem outras alternativas, como um programa de estágio, por exemplo.

Mas se o seu negócio tem menos tempo para esperar o desenvolvimento de futuros especialistas e gestores, então, é possível que o programa de trainee seja o mais indicado – até mesmo porque muitos desses jovens já fizeram estágios e possuem certa vivência profissional.

Diante de todas essas informações, podemos concluir que um programa de trainee pode ser um ótimo custo/benefício para a sua empresa, desde que você a prepare firmemente para todo o processo. Portanto, se ainda está em dúvida, converse com uma consultoria especializada e também com os diretores e gestores do seu negócio.

Se tiver alguma dúvida sobre esse tema ou quiser compartilhar a sua experiência conosco sobre a criação de um programa de trainee no ambiente empresarial, deixe o seu comentário e até a próxima.

am_cta_ebook07_gestoralta

Engenheiro por formação e educador por paixão. Tenho a educação como paixão pessoal e profissional, por gostar de estar sempre ensinando e aprendendo. Estou sempre disposto a ouvir pontos de vistas e argumentar sobre diversos assuntos. Como hobbies, gosto de jogar poker e conversar sobre investimento e finanças pessoais.